top of page
  • Rikardy Tooge

KPTL põe R$ 6,2 milhões na agtech Culttivo

Atualizado: 7 de jun. de 2022

Foco da empresa que recebeu o aporte da gestora está na oferta de crédito para cafeicultores


Agfintech com menos de dois anos, a Culttivo carrega mais vivência na área de café do que seu tempo de fundação presume. Com o conhecimento de mais de 20 anos de mercado, seus fundadores enxergaram espaço para ofertar soluções de crédito rural a agricultores que querem agilidade e não cabem mais na lógica do financiamento subsidiado pelo governo, cada vez mais escasso.


“Entendemos que o processo para o produtor precisa ser rápido, simples e confiável”, diz Gustavo Foz, CEO da Cultivo. Fundada em maio de 2020, a startup rodou a sua primeira safra de café ofertando apenas crédito para estocagem dos grãos. Foram cerca de R$ 8 milhões, com ticket médio de R$ 180 mil por operação. Sediada na Faria Lima, a startup tem foco em produtores de café arábica de Minas Gerais e São Paulo.


O resultado superou a expectativa inicial, o que levou a empresa a buscar um sócio que pudesse ajudar a escalar o negócio. E ele apareceu. O fundo de agronegócios da KPTL fez no início deste ano um aporte de R$ 6,2 milhões na agtech, mais uma nessa frente que a gestora de venture capital passou a deter em seu portfólio, que incluiu Agrotools, Agrisolus, entre outras.


Os quatro fundadores da agtech tem longa experiência com café. Gustavo Foz, o CEO, e Gabriel Santos, diretor operacional, atuam há duas décadas juntos. Conheceram-se na operação de financiamentos da Sertrading e, com a compra dessa área pelo banco Indusval (atual Voiter), continuaram trabalhando no ramo.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Com nova regra da CVM, indústria adapta fundos

Desde que resolução 175 entrou em vigor, em outubro, 56 produtos de diversos segmentos foram lançados no mercado Depois de uma corrida para lançar fundos antes de as novas regras da Comissão de Valore

bottom of page