top of page
  • Valor Econômico

Gestoras miram ‘fundos de continuação’ no Brasil

Formato permite realocar investimento que tenha potencial extra a ser explorado


Gestoras de private equity, que compram participação em empresas, estão atentas a uma experiência bem sucedida no Estados Unidos para inaugurar no Brasil os “fundos de continuação” (do inglês “continuation funds”). Nessa modalidade, os gestores podem abrir um novo fundo para realocar investimentos já antigos e que precisariam ser vendidos, em um contexto em que o prazo do mesmo está próximo de expirar.


Essa estrutura visa a abarcar uma situação que pode ser comum nessas gestoras. A decisão para esse caminho envolve a visão de que o ativo em questão, apesar de o prazo do fundo estar perto do fim, ainda tem um potencial extra de crescimento a ser explorado. Com isso, a solução em alguns casos seria montar novo fundo dentro da própria gestora para receber o investimento. Na média, os fundos de private equity têm prazo de sete a dez anos.


Leia a matéria completa aqui: https://valor.globo.com/financas/noticia/2023/10/13/gestoras-miram-fundos-de-continuacao-no-brasil.ghtml

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Gestoras têm desafio para saída em seca de IPO

Fundos de private equity devem ter um dos piores anos para a venda de ativos Os fundos de private equity, que são aqueles que compram participações em empresas, deverão encerrar 2023 com a marca de pi

bottom of page