top of page
  • Valor Econômico

Fundos têm R$ 21 bi em caixa para comprar participações em empresas

Atualizado: 14 de mai.

Gestoras de private equity estão com dinheiro disponível para investir no Brasil, o que deve colocá-las entre os protagonistas em M&A neste ano


Os fundos que compram participação em empresas, considerando os que investem em empresas mais maduras e em startups, estão com dinheiro em caixa e devem marcar presença entre os protagonistas nas transações de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês) no Brasil neste ano. Depois de um período em que estiveram mais comedidas, as gestoras que atuam localmente têm R$ 20,94 bilhões para investir em empresas brasileiras. O volume é 20% maior que o de um ano atrás, conforme levantamento feito pela Spectra, a pedido do Valor.


No jargão utilizado pelas gestoras, o capital comprometido e não investido é conhecido como “dry powder” (pó seco, em tradução livre). E ele cresceu no mundo todo em um período em que investidores ficaram mais arredios diante de altas taxas de juros globais e de dúvidas quanto ao crescimento global. O cenário incerto levou os fundos a colocar em compasso de espera muitas transações, e como consequência sobrou mais dinheiro não investido. A aposta é que a direção mudará em 2024.


Neste ano, o private equity americano Advent fez uma das principais aquisições da indústria ao levar o controle da companhia de cosméticos Skala. Os valores não foram divulgados, em um processo que foi bastante competitivo e também teve investidores estratégicos na disputa, segundo fontes. Outra importante transação foi a compra de uma fatia na empresa de educação Salta pelas gestoras Atmos, Mission e Warburg Pincus. Já a canadense Brookfield aumentou sua participação na empresa de logística VLI. Na semana passada, houve um novo movimento do Advent, que anunciou aporte na rede de educação básica Inspira.


13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Hilton traça plano para enfrentar Accor no Brasil

Disputa será na principal categoria do mercado, a econômica, onde a marca Ibis é dominante O grupo Hilton está se organizando para disputar espaço no Brasil com a líder Accor na principal categoria do

Gestora IG4 sai de Iguá e busca novos negócios

Fundos canadenses CPP e AIMCo assumem controle da Iguá Saneamento; em paralelo, gestora capta novo fundo de investimento A IG4 Capital fechou um acordo para sair da Iguá Saneamento, que seguirá sob co

Comments


bottom of page